quinta-feira, fevereiro 03, 2011

Poema: Orquídea


Orquídea

Sob sol e sob chuva
Tu brotas, silenciosa
A delicadeza suave
Na beleza magnificente

Nascida das cores
Regada à lágrimas
À sorrisos entorpecidos
À felicidade cega

E teu perfume já foi tão doce
Hoje é um aroma enfraquecido
Mas tuas pétalas continuam
Vibrantes e sedosas

Ó, gélido inverno
Que abateu-se sobre ti
Drenando-te a vida, a cor
Quase murchando-te

E as carícias do nobre verão
Que te imbuíram de vivacidade
Erguendo-te da fragilidade
Para levar-te à novos dias

Todos cuidaram de ti,
Minha bela orquídea
É chegada a hora do teu dono
Reclamar-te, uma vez mais

Minha amada orquídea
A hora do despertar aproxima-se
E tuas cores torna-se-ão vivas
Destacando novamente tua solitária beleza

Bem, este é o meu 50º poema ! Foi, sem dúvidas um dos mais gostosos pra escrever, muito mesmo. Nunca me senti tão leve escrevendo algo. Mas, infelizmente, não consigo pensar em alguém para dedicá-lo, apesar de tudo.

Postagem feita ao som desta belíssima canção:

Nenhum comentário:

Postar um comentário